CÓDIGO DA FONTE ESPECIAL: CÓDIGO BIBLIOTECA AJAX:

8 de junho de 2017

ONU faz campanha sobre biodiversidade marinha no Rio de Janeiro

O Centro de Informação da ONU para o Brasil, Unic Rio, está promovendo no Rio de Janeiro uma campanha de conscientização sobre as ameaças à biodiversidade marinha.

A iniciativa se realiza no aquário da cidade, AquaRio, mostrando aos moradores e aos turistas o que pode ser feito por cada pessoa para proteger os mares da poluição, especialmente de plástico.

Animais mortos

O diretor do Unic Rio, Maurizio Giuliano, explica que 8 milhões de toneladas de plástico são jogadas nos oceanos por ano.

"Do ponto de vista da fauna, a situação é um desastre. Cada ano, mais de 1 milhão de pássaros morrem por causa da contaminação dos oceanos. Mais de 100 mil mamíferos (morrem), mamíferos antárticos, árticos e uma quantidade de peixes inestimável."

Segundo a agência ONU Meio Ambiente, que também apoia a campanha no aquário, cerca de 90% de todo o lixo flutuando nos oceanos é plástico. É possível que até 2050, os mares tenham mais pedaços de plástico do que peixes.

Educação Ambiental

Quem visitar o AquaRio até domingo, 11 de junho, recebe um folheto sobre a Conferência Global sobre os Oceanos, que acontece na ONU em Nova Iorque, além de aprender como evitar a contaminação dos mares pelo lixo descartado de forma inadequada.

O presidente do AquaRio, Marcelo Szpilman, fala sobre o papel do aquário em ajudar a reverter esse quadro.

"Talvez a maior contribuição que o aquário pode dar para as crianças e jovens e para as pessoas em geral, é perceber a beleza e a importância do ecossistema marinho e da vida dos animais que vivem nesse ecossistema e a necessidade de preservar esse ecossistema. Na hora que você alerta esta pessoa de que o lixo que ela joga, ás vezes inconscientemente, pode danificar, pode matar um animal, eu acho que essa relação é muito bem colocada nesse ambiente como o aquário."

O AquaRio espera receber mais de 17 mil pessoas durante toda esta semana, por conta da campanha de educação ambiental.

Nenhum comentário:

Postar um comentário