2016, Ano da Misericórdia

"Um coração alegre faz tanto bem quanto os remédios."

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Convite à Coroação de Nossa Senhora

Padre Francisco de Assis, convida você e sua família para solenidade de Coroação de Nossa Senhora, neste dia 31 de maio de 2016, as 19:00h, em frente a Igreja Matriz em Alto do Rodrigues/RN.

Esta noite tem como objetivo saudar, louvar e honrar a Virgem Maria, reconhecendo a Sua Maternidade Divina e sua Maternidade Espiritual da humanidade. Ela é Mãe da Igreja e, portanto, é Nossa MÃE, constituída por Nosso Senhor Jesus Cristo, no derradeiro momento de sua vida, quando encerrou o seu Divino testamento e morreu numa Cruz, em Jerusalém.
A solenidade de encerramento do mês Mariano, vai ser revestida da maior pompa, respeito e profundo fervor espiritual, visando deixar evidente a devoção sincera da comunidade católica e a grandeza do amor, que será traduzido pela intensidade do carinho e do maior interesse que puderem demonstrar durante a cerimônia.
Deus ajuntou todas as águas e deu nome de mar, e ajuntou todas as graças e deu nome de Maria (São Luiz de Montfort)


Convite ao Triduo de Nossa Senhora

Padre Francisco de Assis, da Paroquia de Nossa Senhora do Rosário em Alto do Rodrigues/RN, tem proporcionado aos paroquianos um mês Mariano mais que especial, com a peregrinação de Nossa Senhora de Fátima nas Capelas das comunidades. Neste dia 30 de maio de 2016, as 19:30h, sinta-se convidado à segunda noite consagrada ao  Tríduo de Nossa Senhora na Igreja Matriz em Alto do Rodrigues. Responsáveis de hoje: Apostolado da Oração,  Divina Misericórdia,  Oratório Nossa Senhora de Fátima,  Terço dos Homens,  Kairós,  Mãe Rainha e Rcc.

Maria, que através de seu semblante deixa transparecer a divindade de seu Filho muito amado, Jesus. Ela é a Mãe do Puro Amor, é promessa e esperança, é ternura e solidariedade, é bondade e amor. É o veículo direto que nos comunica com Seu Filho. Nossa intercessora, Rogai por nós que recorremos a Vós.

Vamos todos participar!!!
SALMO RESPONSORIAL Sl 103, 1ab.24ac.29bc-30 31.34 (R.30) R. Enviai o vosso Espírito Senhor*e da terra toda a face renovai. Ou:R. Aleluia, Aleluia, Aleluia, 1aBendize, ó minha alma, ao Senhor!* Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! 24aQuão numerosas, ó Senhor, são vossas obras* 24cEncheu-se a terra com as vossas criaturas! R. 29bSe tirais o seu respiro, elas perecem* 29ce voltam para o pó de onde vieram. 30Enviais o vosso espírito e renascem* e da terra toda a face renovais. R. 31Que a glória do Senhor perdure sempre,* e alegre-se o Senhor em suas obras! 34Hoje seja-lhe agradável o meu canto,* pois o Senhor é a minha grande alegria! R. SEGUNDA LEITURA DA MISSA Fomos batizados num único Espírito para formarmos um único corpo. Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 12,3b-7.12-13 Irmãos: 3bNinguém pode dizer: Jesus é o Senhor a não ser no Espírito Santo. 4Há diversidade de dons, mas um mesmo é o Espírito. 5Há diversidade de ministérios, mas um mesmo é o Senhor. 6Há diferentes atividades, mas um mesmo Deus que realiza todas as coisas em todos. 7A cada um é dada a manifestação do Espírito em vista do bem comum. 12Como o corpo é um, embora tenha muitos membros, e como todos os membros do corpo, embora sejam muitos, formam um só corpo, assim também acontece com Cristo. 13De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito, para formarmos um único corpo, e todos nós bebemos de um único Espírito. Palavra do Senhor. EVANGELHO DA MISSA Assim como o Pai me enviou também eu vos envio: Recebei o Espírito Santo! + Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 20,19-23 19Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e pondo-se no meio deles, disse: 'A paz esteja convosco'. 20Depois destas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. 21Novamente, Jesus disse: 'A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio'. 22E depois de ter dito isto, soprou sobre eles e disse: 'Recebei o Espírito Santo. 23A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados;a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos'. Palavra da Salvação. VIGÍLIA DE PENTE

Fonte: http://www.vercalendario.info/pt/evento/liturgia-catolica-15-maio-2016.html
Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar.

Fonte: http://www.vercalendario.info/pt/evento/liturgia-catolica-15-maio-2016.html
Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar.

Fonte: http://www.vercalendario.info/pt/evento/liturgia-catolica-15-maio-2016.html

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Corpus Christi

Neste dia 26 de maio de 2016, a Igreja Católica, celebra a  solenidade de Corpus Christi. Na Matriz de Nossa Senhora do Rosário, em Alto do Rodrigues/RN, houve adoração  a partir das 06:00h da manhã, com a exposição solene, até as 16:00h, seguido da Santa Missa as 16h30, presidida por Padre Francisco, após a solenidade fiéis saem em procissão, marcando com a manifestação pública da fé católica na presença real de Cristo na eucaristia, passando pelos tapetes confeccionados pelos jovens da comunidade.
Em todo o mundo, comemora-se o dia de Corpus Christi. Nome que vem do latim e significa “Corpo de Cristo”. A festa de Corpus Christi tem por objetivo celebrar solenemente o  mistério da Eucaristia – o Sacramento do Corpo e do Sangue de Jesus Cristo. Acontece sempre em uma quinta-feira, em alusão à Quinta-feira Santa, quando se deu a instituição deste sacramento. Durante a última ceia de Jesus com seus apóstolos, Ele mandou que celebrassem Sua lembrança comendo o pão e bebendo o vinho que se transformariam em seu Corpo e Sangue.
Em um gesto único Jesus Eucarístico passeia pelas as ruas de nossa cidade abençoando e emocioando a população.

"O que come a minha carne e bebe o meu sangue, tem a vida eterna e, eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue é verdadeiramente bebida. O que come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. O que come deste pão viverá eternamente" (Jo 6, 55 – 59).



Através da Eucaristia, Jesus nos mostra que está presente ao nosso lado, e se faz alimento para nos dar força para continuar. Jesus nos comunica seu amor e se entrega por nós.


Origem da Celebração

A celebração teve origem em 1243, em Liège, na Bélgica, no século XIII, quando a freira Juliana de Cornion teria tido visões de Cristo demonstrando-lhe desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque.

Em 1264, o Papa Urbano IV através da Bula Papal "Trasnsiturus de hoc mundo", estendeu a festa para toda a Igreja, pedindo a São Tomás de Aquino que preparasse as leituras e textos litúrgicos que, até hoje, são usados durante a celebração. Compôs o hino “Lauda Sion Salvatorem” (Louva, ó Sião, o Salvador), ainda hoje usado e cantado nas liturgias do dia pelos mais de 400 mil sacerdotes nos cinco continentes.



A procissão com a Hóstia consagrada conduzida em um ostensório é datada de 1274. Foi na época barroca, contudo, que ela se tornou um grande cortejo de ação de graças.


No Brasil

No Brasil, a festa passou a integrar o calendário religioso de Brasília, em 1961, quando uma pequena procissão saiu da Igreja de madeira de Santo Antônio e seguiu até a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima. A tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, cidade histórica do interior de Minas Gerais. A celebração de Corpus Christi consta de uma missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento.

A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento esse povo foi alimentado com maná, no deserto. Hoje, ele é alimentado com o próprio Corpo de Cristo.

Durante a Missa o celebrante consagra duas hóstias: uma é consumida e a outra, apresentada aos fiéis para adoração. Essa hóstia permanece no meio da comunidade, como sinal da presença de Cristo vivo no coração de sua Igreja.
Fonte:http://andersonribeiro18.blogspot.com.br/2016/05/como-surgiu-festa-de-corpus-christi.html


quarta-feira, 25 de maio de 2016

Maria, Mãe da Igreja

Saiba mais sobre um dos casos que se tornaram inesquecíveis na história da Igreja, marcado pela poderosíssima proteção de Nossa Senhora!
Somos o “Corpo de Cristo”, e Maria, Mãe de Cristo, logo é também a Mãe de seu Corpo que é a Igreja. É por essa razão que durante o Concílio Vaticano II o Papa Paulo VI declarou solenemente que: “Maria é Mãe da Igreja, isto é, Mãe de todo o povo cristão, tanto dos fiéis como dos Pastores” (discurso a 21 de novembro de 1964). Mais tarde, em 30 de junho de 1968, na Profissão de Fé, conhecida como o “Credo do Povo de Deus”, repetiu essa afirmação de forma ainda mais compromissiva:

“Nós acreditamos que a Santíssima Mãe de Deus, nova Eva, Mãe da Igreja, continua no Céu e sua missão maternal em relação aos membros de Cristo, cooperando no nascimento e desenvolvimento da vida divina nas almas dos remidos”. “O conhecimento da verdadeira doutrina católica sobre a Bem-aventurada Virgem Maria continuará sempre uma chave para a compreensão exata do mistério de Cristo e da Igreja”.

Para exemplificar a proteção poderosíssima de Nossa Senhora à Igreja, gostaria de citar um dos casos que se tornaram inesquecíveis na história da Igreja.

Um deles foi o da batalha de Lepanto, no mar da Grécia, em 1571, onde Maria se mostrou de fato a grande “Auxiliadora dos Cristãos”, título este que o Papa S. Pio V acrescentou na Ladainha Lauretana de Nossa Senhora, após a milagrosa vitória da esquadra cristã, organizada pelo Papa e comandada pelo Príncipe Dom João d’Áustria, sobre as forças muçulmanas, que ameaçavam invadir a Europa e escravizá-la ao Império Otomano.

São Pio V enviou para o Imperador uma bandeira, na qual estava bordada a imagem de Jesus crucificado. A preparação dos soldados consistiu em um tríduo de jejuns, orações e procissões, suplicando a Deus a graça da vitória, pois o inimigo não era apenas uma ameaça para a Igreja, mas também para a civilização. Tendo recebido a Santa Eucaristia, partiram para a batalha. No dia 7 de outubro de 1571, invocando o nome de Maria, Auxíliadora dos Cristãos, travaram dura batalha nas águas de Lepanto. Três horas de combate foram necessárias… A vitória coube aos cristãos, que ao grito de “Viva Maria”, hastearam a bandeira de Cristo.

O Papa mandou um cardeal benzer as armas dos soldados, pedindo que levassem o santo Rosário como a arma mais forte. Era uma guerra de legítima defesa da Europa invadida, depois que os turcos tomaram Constantinopla em 1453, e agora ameaçavam destruir o Ocidente cristão. Foi uma batalha decisiva. Os muçulmanos sempre tentaram, e ainda tentam destruir o cristianismo, e conquistar o mundo para Alá, pela força das armas, é a guerra santa: Jihad.

A Europa estremeceu, e estava em risco a civilização cristã e a religião católica, que custou tanto sangue dos mártires. S. Pio V implorou a proteção da Virgem Maria em favor do povo cristão, pedindo à Virgem que afastasse, de uma vez por todas, o perigo do islamismo ameaçador.

No dia 7 de outubro de 1571, na grande e temida batalha de Lepanto, na Grécia, os cristãos venceram definitivamente os turcos. As forças cristãs eram minoria, os turcos tinham cerca de trezentos barcos de guerra no mar da Grécia, mas, por ação de Nossa Senhora, milagrosamente, as forças turcas foram aniquiladas.

O Papa quis então demonstrar sua gratidão à Mãe da Igreja e dos homens, e mandou incluir na Ladainha a invocação, “Auxiliadora dos Cristãos, rogai por nós”.
A festa litúrgica de Nossa Senhora Auxiliadora, tão cara a D. Bosco, a quem ela apareceu em sonho na infância, veio com o Papa Pio VII, em 1816, depois de mais uma maravilhosa demonstração de carinho e proteção dela para com o Papa e a Igreja.

Napoleão era imperador da França e, por não ser atendido pelo Papa em seus desejos de grandeza que queriam subjugar a autoridade do Pontífice, mandou prendê-lo, submetendo-o a maus-tratos na prisão de Fontainebleau.

O Papa, sem nada poder fazer, recorreu à proteção de Nossa Senhora para não perder a coragem e não vacilar, prometendo-lhe, que, se saísse da prisão iria coroar a imagem de Nossa Senhora de Savona, por onde passara a caminho do cárcere.

Depois de um bom tempo Napoleão perdeu o trono, vencido nos campos de batalha, e foi feito prisioneiro na mesma prisão de Fontainebleau, onde mandara prender o Santo Padre. Ali assinou a rendição aos ingleses. Castigo de Deus.

O Papa pôde então sair da prisão; foi até Savona cumprir seu voto coroando a imagem de Nossa Senhora de Savona. Depois entrou em Roma, aplaudido pelo povo, carinhosamente. Em agradecimento a Maria, instituiu a festa de Nossa Senhora, fixando-lhe a data de 24 de maio, dia de sua entrada triunfal em Roma.

Esses fatos históricos, mostram que Maria não é apenas a protetora de cada um de nós, mas também da Santa Igreja que seu Filho lhe confiou aos pés da Cruz.

Prof. FelipeAquino

terça-feira, 24 de maio de 2016

Pentecostes 2016

Pentecostes era uma festa de grande alegria e ação de graças para os judeus por celebrar a colheita do trigo. Vinha gente de todas as partes: judeus saudosos que voltavam a Jerusalém, trazendo também pagãos amigos e prosélitos. Quando também eram oferecidas as primícias das colheitas no templo. Era também chamada "festa das sete semanas" por ser comemorada sete semanas depois da festa da Páscoa, no quinquagésimo dia. Daí o nome Pentecostes, que significa "quinquagésimo dia".
No primeiro Pentecostes depois da Morte de Jesus, cinquenta dias depois da Páscoa, o Espírito Santo desceu sobre a comunidade cristã de Jerusalém na forma de línguas de fogo; todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas (cf. At 2,1-4). As primícias da colheita aconteceram naquele dia, pois foram muitos os que se converteram e foram recolhidos para o Reino de Deus.
O Prometido por Jesus: "[...] ordenou-lhes que não se
 afastassem de Jerusalém, mas que esperassem a 
realização da promessa do Pai, a qual, disse Ele, ouvistes 
da minha boca: João batizou com água; vós, porém, sereis
 batizados com o Espírito Santo dentro de poucos dias" (At 1,4-5).
Espírito, que procede do Pai e do Filho: "Quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade que vem do Pai, Ele dará testemunho de mim e vós também dareis testemunho [...]" (Jo 15 26-27). O Espírito Santo é Deus com o Pai e com o Filho. Sua presença traz consigo o Filho e o Pai. Por Ele somos filhos no Filho e estamos em comunhão com o Pai.
http://icalendario.br.com/festa-crista/pentecostes



domingo, 15 de maio de 2016

O Espírito Santo e o dom da Alegria


São Paulo diz que o Reino de Deus, isto é, a meta para a qual estamos a caminhar, tem como um dos pilares fundamentais a alegria: O Reino de Deus não é uma questão de comer ou beber, mas sim de justiça, paz e alegria no Espírito Santo” (Rm 14, 17).

Ao falar dos frutos do Espírito Santo, a Carta aos Gálatas diz o seguinte: Por seu lado, os frutos do Espírito Santo são: amor, alegria, paz” (Gal 5, 22).

Falando com os discípulos durante a Última Ceia, Jesus disse o seguinte: Revelei-vos todas estas coisas, a fim de que a minha alegria habite em vós e, deste modo, a vossa alegria seja perfeita e total” (Jo 15, 11).

O evangelho de São João diz que no decorrer da Ceia Pascal, os discípulos começam a entristecer-se, pois apercebem-se de que Jesus estava a despedir-se. Jesus aproveitou a situação para lhes garantir que, após a Páscoa, a sua alegria seria plena e duradoira: Agora estais abatidos, mas ver-vos-ei de novo e haveis de vos alegrar e já ninguém poderá tirar-vos a vossa alegria” (Jo 16, 22).

Na sua primeira aparição como ressuscitado, os discípulos ficaram cheios de alegria, tal como o Senhor lhes tinha garantido. Eis as palavras de São João: “Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse-lhes: “A paz esteja convosco!” Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o peito e os discípulos encheram-se de alegria por verem que era o Senhor” (Jo 20, 19-20).

Ao terminar a Ceia, Jesus faz uma oração ao Pai, pedindo-lhe para que os discípulos recebam a plenitude da alegria da fé, a qual vem do Espírito Santo. Eis as suas palavras: “Pai Santo, agora vou para ti. Mas antes de partir queria pedir-te o seguinte: “Que eles tenham em si a plenitude da minha alegria” (Jo 17, 13).

O evangelho de São Lucas diz que Jesus exulta de alegria no Espírito Santo, por ver que as pessoas simples e pobres acolhem a Palavra de Deus: Nesse mesmo instante, Jesus estremeceu de alegria sob a acção do Espírito Santo e disse: “Bendigo-te ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondestes estas coisas aos sábios e aos inteligentes e as revelastes aos pequeninos” (Lc 10, 21).

O Espírito Santo, diz São Paulo, é o amor de Deus derramado nos nossos corações (Rm 5, 5). 

É Pelo Espírito Santo que a bondade divina transborda para a Humanidade. Graças a Cristo ressuscitado já fazemos parte da Comunhão Universal do Reino de Deus cujo coração é a Santíssima Trindade. As pessoas humanas são assumidas nessa comunhão familiar de Deus e, portanto, divinizadas.

O Espírito santo é a dinâmica do amor de Deus a actuar nos nossos corações. Podíamos dizer que é o sangue divino a circular nas veias do nosso ser interior. Por outras palavras, o Espírito Santo é o Sangue da Nova e Eterna Aliança a comunicar-nos a vida divina.

Jesus disse que o Espírito Santo é a Água Viva que faz emergir uma nascente de vida eterna no íntimo do nosso coração (Jo 7, 37-39; cf. Jo 4, 14). É a Carne e o Sangue de Cristo ressuscitado a alimentar em nós a vida dos Filhos de Deus (J0 6, 62-63).

O Espírito Santo é o Sangue e a Água que jorrou do peito de Cristo no momento em que morreu e ressuscitou sobre a cruz (Jo 19, 33-34). O Espírito Santo é o sopro que saiu da boca de Jesus ressuscitado na sua primeira aparição aos discípulos: Em seguida, soprou sobre eles e disse-lhes: “Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados ficarão perdoados, mas àqueles a quem os retiverdes ficarão retidos” (Jo 20, 22-23).

O nosso Deus sonha projectos de amor e concretiza aquilo que sonha. Alegremo-nos, pois fazemos parte do plano de amor de um Deus que nos ama incondicionalmente e por isso nos comunicou o dom do Espírito Santo que, no nosso coração, é uma fonte permanente de alegria e fortaleza.

Ele é também o amor maternal de Deus que realiza a plena reconciliação do Homem com Deus, fazendo de nós uma Nova Criação, como diz São Paulo: Se alguém está em Cristo é uma Nova Criação. Passou o que era velho. Tudo isto nos vem de Deus que nos reconciliou consigo em Cristo, não levando mais em conta os pecados dos homens” (2 Cor 5, 17-19).

Graças à acção maternal do Espírito Santo somos incorporados na Família de Deus como filhos e herdeiros de Deus Pai e irmãos e co-herdeiros com o Filho de Deus (Rm 8, 14-17).

O Livro do Génesis diz que a génese histórica do Homem em construção foi iniciada pelo hálito da vida de Deus, isto é, o Espírito Santo, no momento do sopro primordial (Gn 2, 7).

Ao comunicar-nos o dom do Espírito Santo, Jesus criou as condições perfeitas para podermos atingir a alegria plena. Eis as palavras de Jesus: “Mas o Paráclito, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, esse é que vos ensinará tudo, e há-de recordar-vos tudo o que eu vos disse” (Jo 14, 26).

Ao ressuscitar, Jesus comunicou-nos a possibilidade de comunicarmos de modo directo com o Espírito Santo, a fim de participarmos da interacção que existe entre o Pai e o Filho. Eis as palavras de São Paulo: “Todos os que são movidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Vós não recebestes um espírito de escravidão, mas um Espírito que faz de vós filhos adoptivos.
É por este Espírito que clamamos “Abba”, Pai Querido” (Rm 8, 14-15; cf. Ga 4, 4-7).

Os seres humanos não entram isoladamente na comunhão familiar de Deus. Na verdade, As pessoas são incorporadas nesta comunhão familiar, graças ao facto de formarem uma união orgânica com Cristo. A Carta aos Gálatas diz que todos nós somos um em Cristo (Gal 3, 29). Por isso ele pôde afirmar: “Já não sou eu que vivo mas Cristo que vive em mim” (Gal 2, 10).

O Homem Novo é uma Nova Humanidade onde deixa de haver razões para dividir os seres humanos por razões de raça, cultura, de classe social ou pela sua condição sexual: Já não há grego nem judeu, circunciso ou incircunciso, bárbaro, cita, escravo ou homem livre, mas apenas Cristo que é tudo em todos e está em todos nós” (Col 3, 9-11).

É nesta comunhão orgânica que os seres humanos encontram a sua plena alegria de pessoas totalmente realizadas e felizes.

NO PRIMEIRO DIA DA SEMANA
Em Comunhão Convosco, 
Calmeiro Matias
Fonte:http://derrotarmontanhas.blogspot.com.br/2016/05/o-espirito-santo-e-o-dom-da-alegria.html

A solenidade de Pentecostes encerra o Tempo da Páscoa.

Inaugura-se na história da humanidade um novo tempo, o Tempo do Espírito, ou o Tempo da Igreja. Trata-se de um espaço aberto para o testemunho dos discípulos: “permanecei em Jerusalém até receberdes a força do alto, o Espírito Santo, na Judeia, na Samaria, até os confins da terra”.

O numeral ordinal “pentecostes” designa o último dia de uma série de cinquenta dias. O pentecostes não coincide com a festa judia de Pentecostes. A festa judia passou por uma evolução: de uma festa agrícola, ela passou, no período pos-exílico, a ser uma festa comemorativa da Aliança no Sinai.

Todo o relato da descida do Espírito Santo em At 2, 1-11 possui os elementos da teofania do Sinai: barulho ensurdecedor e fogo. São elementos da manifestação de Deus. O barulho enche toda a casa, como o Espírito Santo a todos eles. E, depois de um fenômeno sonoro, um fenômeno visual: “línguas como de fogo”. Que são essas “línguas de fogo”? Simbolizam o poder de Deus que faz falar. Não se trata de falar línguas incompreensíveis. O dom do Espírito Santo faz com que a Igreja assuma a cultura, a língua de cada povo, para poder levar a cada pessoa as maravilhas de Deus, isto é, o que Deus fez por nós e para nós em Jesus Cristo.

A solenidade de Pentecostes funda a universalidade da missão da Igreja. Mas há continuidade entre o pentecostes judeu e o cristão: o dom do Espírito é o dom da Lei interiorizada, quando, da Nova Aliança, surgem o espírito novo e o coração novo, de que falam os profetas Jeremias e Ezequiel


Dom Eurico dos Santos Veloso

Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)
Presidente da Pró-Saúde
- See more at: http://www.catequisar.com.br/texto/colunas/eurico/p172.htm#sthash.Waux52PG.dpuf
A solenidade de Pentecostes encerra o Tempo da Páscoa.

Inaugura-se na história da humanidade um novo tempo, o Tempo do Espírito, ou o Tempo da Igreja. Trata-se de um espaço aberto para o testemunho dos discípulos: “permanecei em Jerusalém até receberdes a força do alto, o Espírito Santo, na Judeia, na Samaria, até os confins da terra”.

O numeral ordinal “pentecostes” designa o último dia de uma série de cinquenta dias. O pentecostes não coincide com a festa judia de Pentecostes. A festa judia passou por uma evolução: de uma festa agrícola, ela passou, no período pos-exílico, a ser uma festa comemorativa da Aliança no Sinai.

Todo o relato da descida do Espírito Santo em At 2, 1-11 possui os elementos da teofania do Sinai: barulho ensurdecedor e fogo. São elementos da manifestação de Deus. O barulho enche toda a casa, como o Espírito Santo a todos eles. E, depois de um fenômeno sonoro, um fenômeno visual: “línguas como de fogo”. Que são essas “línguas de fogo”? Simbolizam o poder de Deus que faz falar. Não se trata de falar línguas incompreensíveis. O dom do Espírito Santo faz com que a Igreja assuma a cultura, a língua de cada povo, para poder levar a cada pessoa as maravilhas de Deus, isto é, o que Deus fez por nós e para nós em Jesus Cristo.

A solenidade de Pentecostes funda a universalidade da missão da Igreja. Mas há continuidade entre o pentecostes judeu e o cristão: o dom do Espírito é o dom da Lei interiorizada, quando, da Nova Aliança, surgem o espírito novo e o coração novo, de que falam os profetas Jeremias e Ezequiel


Dom Eurico dos Santos Veloso

Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)
Presidente da Pró-Saúde
- See more at: http://www.catequisar.com.br/texto/colunas/eurico/p172.htm#sthash.Waux52PG.dpuf
A solenidade de Pentecostes encerra o Tempo da Páscoa.

Inaugura-se na história da humanidade um novo tempo, o Tempo do Espírito, ou o Tempo da Igreja. Trata-se de um espaço aberto para o testemunho dos discípulos: “permanecei em Jerusalém até receberdes a força do alto, o Espírito Santo, na Judeia, na Samaria, até os confins da terra”.

O numeral ordinal “pentecostes” designa o último dia de uma série de cinquenta dias. O pentecostes não coincide com a festa judia de Pentecostes. A festa judia passou por uma evolução: de uma festa agrícola, ela passou, no período pos-exílico, a ser uma festa comemorativa da Aliança no Sinai.

Todo o relato da descida do Espírito Santo em At 2, 1-11 possui os elementos da teofania do Sinai: barulho ensurdecedor e fogo. São elementos da manifestação de Deus. O barulho enche toda a casa, como o Espírito Santo a todos eles. E, depois de um fenômeno sonoro, um fenômeno visual: “línguas como de fogo”. Que são essas “línguas de fogo”? Simbolizam o poder de Deus que faz falar. Não se trata de falar línguas incompreensíveis. O dom do Espírito Santo faz com que a Igreja assuma a cultura, a língua de cada povo, para poder levar a cada pessoa as maravilhas de Deus, isto é, o que Deus fez por nós e para nós em Jesus Cristo.

A solenidade de Pentecostes funda a universalidade da missão da Igreja. Mas há continuidade entre o pentecostes judeu e o cristão: o dom do Espírito é o dom da Lei interiorizada, quando, da Nova Aliança, surgem o espírito novo e o coração novo, de que falam os profetas Jeremias e Ezequiel


Dom Eurico dos Santos Veloso

Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)
Presidente da Pró-Saúde
- See more at: http://www.catequisar.com.br/texto/colunas/eurico/p172.htm#sthash.Waux52PG.dpuf
A solenidade de Pentecostes encerra o Tempo da Páscoa.

Inaugura-se na história da humanidade um novo tempo, o Tempo do Espírito, ou o Tempo da Igreja. Trata-se de um espaço aberto para o testemunho dos discípulos: “permanecei em Jerusalém até receberdes a força do alto, o Espírito Santo, na Judeia, na Samaria, até os confins da terra”.

O numeral ordinal “pentecostes” designa o último dia de uma série de cinquenta dias. O pentecostes não coincide com a festa judia de Pentecostes. A festa judia passou por uma evolução: de uma festa agrícola, ela passou, no período pos-exílico, a ser uma festa comemorativa da Aliança no Sinai.

Todo o relato da descida do Espírito Santo em At 2, 1-11 possui os elementos da teofania do Sinai: barulho ensurdecedor e fogo. São elementos da manifestação de Deus. O barulho enche toda a casa, como o Espírito Santo a todos eles. E, depois de um fenômeno sonoro, um fenômeno visual: “línguas como de fogo”. Que são essas “línguas de fogo”? Simbolizam o poder de Deus que faz falar. Não se trata de falar línguas incompreensíveis. O dom do Espírito Santo faz com que a Igreja assuma a cultura, a língua de cada povo, para poder levar a cada pessoa as maravilhas de Deus, isto é, o que Deus fez por nós e para nós em Jesus Cristo.

A solenidade de Pentecostes funda a universalidade da missão da Igreja. Mas há continuidade entre o pentecostes judeu e o cristão: o dom do Espírito é o dom da Lei interiorizada, quando, da Nova Aliança, surgem o espírito novo e o coração novo, de que falam os profetas Jeremias e Ezequiel


Dom Eurico dos Santos Veloso

Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)
Presidente da Pró-Saúde
- See more at: http://www.catequisar.com.br/texto/colunas/eurico/p172.htm#sthash.Waux52PG.dpuf

sábado, 14 de maio de 2016

Viva Nossa Senhora de Fátima!

A Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, em Alto do Rodrigues/RN, vivenciou de 11 a 13 de maio, o Tríduo da Festa alusiva a Nossa Senhora de Fátima, no Distrito Irrigado Baixo-Açu(DIBA). 
Refletindo o tema: Com  a Virgem de Fátima aprendamos a ser misericordiosos como o Pai.

 

Padre Francisco de Assis, conduziu o tríduo unindo todas as comunidades, grupos, movimentos, autoridades, paroquianos  e devotos de Nossa Senhora de Fátima.
Entronização da Bíblia
Ao Senhor Deus oferece-se incenso. É adoração e honra. 

Oh!Santíssima Virgem Maria, Rainha do Céu Rosário e Mãe de misericórdia, que vos dignaste manifestar em Fátima a ternura de vosso Imaculado Coração trazendo-nos mensagens de salvação e de paz.

Confiados em vossa misericórdia maternal e agradecidos a as bondades de vosso amantíssimo coração, viemos a vossos pés para rendermos o tributo de nossa veneração e amor.

Concedei-nos as graças que necessitamos para cumprir fielmente vossa mensagem de amor, e a que vos pedimos nesta novena, se tem de ser para maior glória de Deus, honra vossa e proveito de nossas almas. Assim seja.
Rezai o Terço todos os dias. Rezai, rezai muito! E fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o Inferno, por não haver quem se sacrifique e peça por elas. 
Quando rezardes o Terço, dizei depois de cada mistério: Ó meu bom Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do Inferno. Levai as almas todas para o Céu, principalmente as que mais precisarem.Nossa Senhora, em Fátima - 1917
Coroação de Nossa Senhora
Oh!Santíssima Virgem Maria, Rainha do Céu Rosário e Mãe de misericórdia, que vos dignaste manifestar em Fátima a ternura de vosso Imaculado Coração trazendo-nos mensagens de salvação e de paz. Confiados em vossa misericórdia maternal e agradecidos a as bondades de vosso amantíssimo coração, viemos a vossos pés para rendermos o tributo de nossa veneração e amor.
Concedei-nos as graças que necessitamos para cumprir fielmente vossa mensagem de amor, e a que vos pedimos nesta novena, se tem de ser para maior glória de Deus, honra vossa e proveito de nossas almas. Assim seja.

Ascensão do Senhor, Dia das Mães e da Comunicação 2016

Domingo de bençãos na Matriz de Nossa Senhora do Rosário em Alto do Rodrigues/RN. Ascensão do Senhor, Dia das Mães e da Comunicação em 08 de maio de 2016.
R. Por entre aclamações Deus se elevou, o Senhor subiu ao toque da trombeta.

Fonte: http://www.vercalendario.info/pt/evento/liturgia-catolica-8-maio-2016.html
"A ti, que da grande comunidade digital, me pedes bênção e oração, quero dizer-te: tu serás o dom precioso na minha oração ao Pai. E não te esqueças de rezar por mim e pelo meu ser servo do Evangelho da Misericórdia" 'Franciscus'.
“Decidi-me firmemente a não desejar um coração melhor do que este que Maria quiser me dar, pois ela é a amável Mãe dos corações, a Mãe do Santo Amor, Mãe do Coração dos corações.” (São Francisco de Sales)
Simone lendo mensagem do Dia das Mães


Feliz Dia das Mães, que Nossa Senhora ilumine cada uma com saúde, paciência, sabedoria e  que  nunca falte Fé
Consagração a Nossa Senhora 
 Equipe Pascom

domingo, 8 de maio de 2016

Obrigado Senhor!

Obrigado Senhor, pela mãe que o Senhor me deu,
por todas as Mães do mundo,
pelas mães brancas, de pele alvinha
pelas pardas, morenas ou bem pretinhas
pelas ricas e pelas pobrezinhas
pelas mães-titias, pelas mães-vovós, pelas madrastas -mães, pelas professoras - mães
pela mãe que embala ao colo o filho que não é seu
pela saudade querida da mãe que já partiu
pelo amor latente em todas as mulheres, que
desperta ao sentir desabrochar em si uma nova vida
pelo amor, maravilhoso amor que une mães e filhos
Eu lhe agradeço, Senhor!

Charlesk

sábado, 7 de maio de 2016

A Virgem de Fátima, visita a Capela de Santo Expedito em Alto do Rodrigues/RN

A Virgem de Fátima, visita a Capela de Santo Expedito na comunidade da Vila Mestre Severino, em sua quarta noite de peregrinação.
Por ter sido escolhida por Deus, desde toda a eternidade, para ser a Mãe do Seu Filho encarnado, a Virgem Maria foi concebida sem pecado original e foi assunta ao Céu de corpo e alma. 
São Luiz de Montfort disse que “Deus reuniu todas as águas e deu o nome de mar; reuniu todas as graças e deu o nome de Maria”. Ela é Mãe de Deus: “Donde me vem esta honra de vir a mim a Mãe do meu Senhor?” (Lc 1, 43), proclama Isabel, cheia do Espírito Santo.
"Rezem o terço todos os dias, para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra." Nossa Senhora de Fátima
Responsáveis: Pascom e Crisma
“Jesus é o caminho que podemos seguir, aberto para todos. É o caminho da paz. A Virgem Mãe nos indica, nos mostra o caminho: sigamo-la! E Vós, Santa Mãe de Deus, acompanha-nos com a vossa proteção”. - Papa Bento XVI 

Terceira noite de peregrinação, em Listrada 2016

Em sua terceira noite de peregrinação, Nossa Senhora é acolhida pela comunidade de Listrada, na Capela da Sagrada Família, no município de Alto do Rodrigues/RN. Responsáveis da noite Pastoral da Juventude.
Rezai o Terço todos os dias. Rezai, rezai muito! E fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o Inferno, por não haver quem se sacrifique e peça por elas. Quando rezardes o Terço, dizei depois de cada mistério: Ó meu bom Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do Inferno. Levai as almas todas para o Céu, principalmente as que mais precisarem.
Flores simbolizam as alegrias e vitórias, por isso queremos ofertar as flores a Mãe querida, colocando diante dela todas as nossas alegrias.
– Foi Ela que deu o ser e a vida ao Autor de toda graça, e, por causa disso, Ela é chamada a Mãe da graça, Mater Gratiae.
"Mediante o Rosário, o povo cristão aprende com Maria a contemplar a beleza do rosto de Cristo, e a experimentar a profundidade do seu amor." - São João Paulo II
Maria é Aquela que “achou graça diante do Senhor”, a cheia de graça divina: “Entrando o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo” (Lc 1, 28).
"Ascende em nós, ó amada mãe a tua luz e traz para nós a tua proteção. Estendei o teu sagrado manto, ó Nossa Senhora, que é também minha mãe. Livrai-nos da ambição do ódio e do desamor e faz, querida mãezinha com que o teu coração triunfe e ganhe os corações dos homens para encontrar a paz. Amém." Oração pela Paz no Mundo.